Tradução Pérsio Cordeiro

  1. Uma estrutura hierárquica top-down
  2. Foco em objetivos de curto prazo
  3. Bonificações de cada colaborador com base apenas em objetivos individuais
  4. Departamentos ou unidades de negócio que se comunicam ou colaboram pouco entre si
  5. Falta de confiança
  6. Políticas internas
  7. Falta de consciência sobre o nível de conhecimento interno
  8. Falta de disponibilidade do conhecimento interno
  9. Muito orgulho
  10. Questão de confidencialidade

1. Uma estrutura hierárquica top-down: a síndrome “você não deve compartilhar conhecimentos com outros departamentos sem a aprovação do seu gerente”;

2. Foco em objetivos de curto prazo: a síndrome: “não é necessário compartilhar conhecimentos já que, assim que os objetivos forem alcançados, eles não serão mais necessários”;

3. Bonificações de cada colaborador com base apenas em objetivos individuais: a síndrome “você é julgado pelos seus próprios resultados, e não pelos resultados que outros atingiram com a sua ajuda”;

4. Departamentos ou unidades de negócio que se comunicam ou colaboram pouco entre si: a síndrome “nós não precisamos de ajuda de alguém de fora de nosso grupo especializado e experiente”;

5. Falta de confiança: a síndrome “por que eu correria o risco de ajudar alguém
com quem eu tenho algum nível de competição? Eu não seria reconhecido por
isso
”;

6. Políticas internas: a síndrome “conhecimento é poder, portanto, vou retê-lo”;

7. Falta de consciência sobre o nível de conhecimento interno: a síndrome “eu não espero que ninguém na empresa tenha a experiência ou habilidade da qual eu preciso”;

8. Falta de disponibilidade do conhecimento interno: a síndrome “minha experiência provavelmente poderia ajudar outras pessoas, porém estou sempre muito ocupado
para verificar quem eu poderia ajudar. Deixar que as pessoas se virem sozinhas é
mais prático
”;

9. Muito orgulho: a síndrome “não foi inventado aqui”;

10. Questão de confidencialidade: a síndrome “nós temos medo de que conhecimentos e
informações estratégicas possam cair nas mãos erradas, portanto quanto menos
compartilharmos, menor o risco
”.

Você pode testar a sua empresa com relação a estas 10 síndromes. Quanto mais delas se identificarem com o seu ambiente de trabalho, maior será o desafio de promover o compartilhamento de conhecimentos. Alguns aspectos são mais difíceis de se lidar, como por exemplo as políticas internas, porém em algum momento todas as síndromes deverão ser tratadas. Todas são relevantes e basta uma delas – a mais arraigada na cultura da empresa – para comprometer a evolução das ações de gestão do conhecimento.

Peter Anthnoy
Glick
no blog Leveraging Organizational Knowledge.

Anúncios
  1. Pingback: Idearios.com.br » links for 2007-04-13

  2. edgard corona

    o artigo merece uma reflexao profunda.Esta muito bom.Acontece nas nossas empresas e isto as impede de decolar.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: