My social Network on Flickr, Facebook, Twitter and MyblogLog

Upload feito originalmente por luc legay

Respondi algumas perguntas por email para a jornalista Izabela Vasconcelos do Comunique-se e compartilho aqui com todos:

1) Como surgiu a idéia de criar uma empresa neste segmento?
A Papagallis não surgiu a partir de uma percepção de mercado, nasceu pela espontaniedade de alguns de nós que buscavam coerência entre nossa vida pessoal e atuação profissional. Criamos a Papagallis como um espaço de experimentação onde poderíamos aprender, vivendo e trabalhando, a partir de nossos serviços para a comunidade de seres humanos que habita este planeta. Então nossas experiências pessoais anteriores se combinaram, tecnologia, redes sociais, ativação de grupos e comunicação democrática se encontraram num espaço de ação a que chamamos Papagallis, e assim nasceu.

2) A Papagallis tem alguma concorrente?
A Papagallis não é uma empresa, é uma rede de pessoas. Somos únicos porque nossa rede é formada por pessoas únicas que atendem de modo único outras redes de pessoas que também são únicas. O vier humano acontece a partir de uma cultura de interações em redes, então existem pessoas formando ou reativando redes a todo momento. Seria ótimo se mais pessoas fizessem o que fazemos, facilitando estes processos para o maior número possível de indivíduos. Quando encontramos um grupo de pessoas que faz isto não vemos um concorrente, tentamos nos acoplar pois sabemos que ali há uma riqueza, a riqueza do conhecimento humano em ação dinâmica.

3) Como foi o trabalho de divulgação da empresa?
Mercados são conversações. Não investimos um centavo em mídia de massa. Propagamos a Papagallis a partir de nós mesmos conversando em redes. Falamos nos encontros presenciais e no ambiente da Internet. Apenas conversamos e tudo acontece a partir daí.

4) Como você vê as comunidades virtuais hoje?
Percebo uma expectativa exagerada em relação às redes sociais. As pessoas não estão refletindo, de modo geral, sobre a qualidade e frequência de suas conversações na vida cotidiana. Somos o que operamos entre nós. Pais que não falam com seus filhos não são pais, amigos que nunca se conversam não podem ser amigos, grupos de pessoas que não se falam, ou que apenas repetem um repertório de jargões profissional impessoal o tempo todo

5) Alguns jornalistas afirmam que as comunidades virtuais não são realmente “comunidades” e sim agrupamentos eletrônicos. Você também vê desta forma ou acredita que há interatividade nas comunidades virtuais?
A sensação de pertencimento de cada pessoa em relação a uma comunidade é uma experiência íntima e profunda. Não pode ser medida ou avaliada por um observador externo. Então um grupo de pessoas pode se identificar entre si como uma comunidade e ninguém pode avaliar a extensão deste relacionamento. Antes esta identificação era geográfica, os agrupamentos humanos eram distiguidos como tribos, etnias ou nacionalidades. Agora a Internet traz um dimensão atemporal e não-localizada no conversar cotidiano de grupos de pessoas. Gente espalhada pelo mundo se encontra, trocam uma fala, compartilham um código e se reconhecem em diálogos não-organizados. Será isto uma comunidade? Depende de quais critérios são usados para avaliar isto. O que está em jogo nesta discussão são os critérios de validação do que distinguimos como comunidade, e não a legitimidade desta ou daquele grupo em se perceber enquanto comunidade. Então podemos refletir sobre nossos critérios e não apenas invalidar algo que está acontecendo e que independe de nossa vontade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: