The Pinnacle

Upload feito originalmente por panic-embryo

Se um suposto gramático ou professor de redação resolver visitar, ler e corrigir as postagens de diversos blogs redigidos por brasileiros, certamente encontrará uma série de erros de português. Isto porque a internet tem se apresentado, cada vez mais, como um território da língua falada, não subordinado às regras das normas cultas ensinadas nas escolas e praticadas pelos mestres da literatura.

A gramática surgiu no século III em Alexandria que, mesmo sendo uma cidade egípcia, era na época o mais importante centro da cultura Grega. Ptolomeu, um dos generais de Alexandre, o Grande, ao receber o Egito como presente depois da morte de seu líder, tratou de implantar uma exuberante biblioteca com sábios estudiosos que passaram a determinar as normas de uso da língua grega para o mundo da época. Surgiu então a gramática como recurso de controle da linguagem dos dominadores gregos sobre os mais diversos povos por eles subjugados.

“- Então podemos dizer que o erro gramatical foi inventado no século III pelos sábios gregos de Alexandira, professor?”
“- Não é Alexandira, menino, é Alexandria! Escreva cem vezes esta palavra até aprender!”

Sem dúvida alguma a Gramática se tornou no decorrer dos séculos um importante patrimônio cultural do Ocidente. Foi se modificando de acordo com a evolução do falar humano mas sempre sob o estrito controle de um pequeno grupo de especialistas que determina o que é certo ou errado. A base para a estruturação da gramática surge nos livros escritos e publicados por autores consagrador, mestres no uso do idioma.

Ocorre que antes da Internet o único meio de publicação, o livro, era um objeto de produção cara e controlada. Agora praticamente qualquer um pode publicar seja-lá-o-que-for do modo que bem entender quando quiser, certo?

Então a língua falada, espontânea, desprezada pelos gramáticos por sua falta de padronização, com toda sua caótica expressão e variações de localidade e tempo, vem ganhando espaço nos blogs, chats, fóruns, redes sociais e twitadas cotidianas, e se afirmando como objeto de estudo da contemporaneidade de nossas relações.

Somente a partir do século XIX a Gramática Tradicional começou a questionar cientificamente seus próprios preconceitos através de investigações línguísticas que revelaram que tudo considerado certo era apenas o modo de escrever de um grupo de
homens livres brancos do sexo masculino, membros de uma elite econômica com direito a voto que controlavam, através de suas relações aristocráticas com a igreja, o sistema educacional da época.

Todas as diversas expressões gramaticais das mais variadas classes sociais e agrupamentos regionais foram formalmente desconsideradas por parecerem aos ouvidos dos gramáticos um linguajear feio, errado, corrompido e defeituoso. Ou seja, a maioria das pessoas está e sempre esteve à margem do bem-falar, fora do território da gramática. Refletindo sobre o caráter heterogêneo de nosso país, a variedade de nossas matrizes culturais e tradições, imaginem as consequências e extensão deste tipo de preconceito!

E por mais que a ciência da linguística tenha entendido isto nos últimos cem anos, o senso comum entre os professores e a sociedade ainda é este: qualquer pessoa pode falar, mas apenas alguns sabem falar corretamente. Alguns poucos conseguem escrever, mas somente um punhado consegue redigir adequadamente.

Talvez por isso a fala do indivíduo comum tenha ficado, até pouco tempo, restrita ao seu universo pessoal de amigos e familiares. Muitos amigos que iniciei na blogagem nunca passaram do primeiro post, e não foi por falta de conteúdo, todos eram brilhantes em suas áreas. Mas na hora de escrever, enfrentar a página branca, a maioria naufragou. Pessoas com quem tive e tenho conversas fantásticas, altamente articuladas, não se dispõem a enfrentar o limite da página em branco.

Ocorre que cada ato individual da fala, cada discurso, cada conversação, cada postagem ou twitada é um acontecimento de linguagem totalmente válido em si mesmo. A história e a cultura humana vem se construindo com atos da fala, seja um “Independência ou Morte” ou um “E aí, blz?”. O falar humano tem construído mais do que nossa cultura. Vivemos mergulhados na linguagem e percebemos o mundo através dela, ou melhor dizendo, o que percebemos no mundo, o que distinguimos como realidade, ocorre em nossa linguagem.

A recursividade de nossas conversas, o entrelaçar de nosso linguajear cotidiano, o falar humanos em nossa convivência tem conservado nosso viver nos últimos milhares de anos. Agora que estamos conseguindo conversar por outros meios, em rodas de amigos online por todo o planeta, digitando nos celulares e computadores, com certeza sentiremos uma enorme aceleração em nosso fluxo de construção cultural.

A deriva do falar escrito nos fará mais próximos, e talvez só por isso tenhamos mais uma chance de retransformar nosso mundo, tornando-o um lugar mais sustentável. Em meu sonho de hoje seremos salvos por nós mesmos, a partir de nossas longas e livres conversas, expressas em sons, letras, símbolos, avatares, fotos e vídeos.

Seremos senhores de nossa linguagem, falando sempre de modo único e individual, mas sendo compreendidos por mais e mais pessoas a cada dia. Talvez assim o mundo fique tão suficientemente pequeno que possamos até salvá-lo, e a nós mesmos. Assim espero.

* A título de curiosidade, tente encontrar o maior número possível de erros de português neste post e declare-os em um comentário, pode ser? Vamos ver o quanto este blogueiro pratica da norma culta da língua portuguesa. Divirtam-se!

Anúncios
  1. Lourenzo Ferreira

    Vou teimar, e não vou comentar usando a ótica dos guardiões do livro mofado :D

    Com meu amigo e companheiro de trabalho na chuva, José San Martin, sempre converso bastante sobre o assunto. Isso porque ele estuda linguística, e nas conversas com ele descobri muitas coisas que raramente saem do meio acadêmico ou até das aulas e livros de linguística.

    A gramática que os professores formados em letras nos ensinaram e ensinam aos nossos filhos é uma ciência ultrapassada (e velha, como reporta o post acima), que se baseia em critérios duvidosos. Muitas regras acabam tendo mais exceções do que regras, e o modo como os gramáticos pensam a língua é algo estranho.

    O principal papel da língua, de comunicar, acaba sendo transformado em uma forma de restringir, padronizar e subjugar.

    Apesar do vigente ser o obsoleto, os liguistas enxergam a gramática de uma forma que, apesar de não temporalmente recente, é extremamente inovadora.

    Na visão de Chomsky, a gramática é a ciência de observar a língua falada e identificar padrões nela, no lugar de simplesmente compôr uma lista pitoresca de regras arbitrárias baseadas nas opiniões estéticas de alguns autores.

    Uma coisa legal é que nós brasileiros alfabetizados dominamos mais de um idioma. O que aprendemos em casa não é o mesmo da escola, e isso acaba trazendo mais flexibilidade de compreensão.

    Em Portugal, o idioma falado é muito mais próximo do escrito, mesmo se contando as gírias e tudo mais.
    Muitas das expressões que usamos por aqui comumente, por lá são completamente incompreensíveis. Já nós temos muito mais facilidade, pois o idioma que escrevemos é muito parecido com o que eles falam.

    E quem já não conversou com um falante de espanhol, entendeu quase tudo que ele falou mas não foi correspondido?

    A essa verborréia toda, acrescento o pensamento final, de que realmente acredito que a apropriação da língua (ou das línguas) e da cultura fortalece nossa identidade e ajuda na desmonopolização do mundo, e aí está a chave para alcançarmos algo vital que ainda não temos (nós, o povo da Terra), que é harmonia.

    Responder

  2. mafetecoblog

    O que especialmente me intriga e interessa a respeito dos novos meios para expressão do linguagear humano é o Twitter. Me parece que ele está abrindo espaço para uma manifestação mais espontânea e legítima das pessoas. Experimentamos isso no GFAL: 300 pessoas na sala, trabalhando, participando, aplaudindo. Vem a pergunta: O que estarão pensando? De verdade?
    Um jeito de saber é olhar o que elas estão Twittando. Aí vemos comentários, críticas, elogios que nem imaginávamos. Abre-se um novo acesso e portanto uma nova forma de relacionamento, de possibilidade de resposta. Entre indivíduos também acontece: Chega aquela figura chateada e vc sem coragem de perguntar por que. Aí vc vê o Twitter. Pode ter uma dica de como a pessoa está se sentindo, uma mão prá você chegar nela.
    Como se no Twitter a gente falasse aquilo que pessoalmente às vezes está difícil. Pode ser uma ferramenta super útil para as relações humanas.
    O que vc acha?

    Responder

  3. lalgarra

    Creio que o limite de 140 caracteres das microblogagens (twitter) facilita o fluxo de expressão dos falantes humanos. A twitada é a cpautura de uma célula de pensamento, uma unidade de emoção ou percepção que passa por nós e pode ser escrita sem grande compromisso.
    Quando twitter nos faz a pargunta “O que você está fazendo?” nos convida a refletir e declarar algo sobre nossa explicação acerca do que estamos vivendo.
    Trazer isto em algumas palavras, sem uma sintaxe que ligue esta twitada com nenhum antes ou depois, é muito mais fácil do que estruturar uma postagem de blog com começo, meio e fim!
    Talvez por isso tenhamos a sensação de estar observando o fluir íntimo de que twitta, certo?

    Responder

  4. Pingback: Notas sobre livros e outras coisas legais de 11.12.2008 | Livros e afins

  5. Pingback: Achados na web #32 » Ladybug Brasil - Sobrevôos, descobertas, achados.

  6. JLM

    Seria a internet a Novíssima Gramática da Língua Falada?

    Ou vai além, pois nela escreve-se diferente de como se fala, apesar de sua influência ser visível nos jovens de hoje, que levam os “blz”, “vc” e “kd” para os textos no papel?

    E, pensando na última pergunta, se na internet escreve-se diferente de como se fala, ela não se assemelharia à gramática tradicional, que também prega a escrita diferente da fala rotineira?

    Responder

  7. Pingback: diggs | graphic design +55 (11) 9276.9277

  8. Rubens

    Talvez daqui a 20 anos essa visão esteja amplamente difundida e aceita. Até lá, conseguirão passar em vestibulares, galgar os melhores postos e funções e, consequentemente, ter as melhores remunerações, quem dominar a gramática tradicional. É interessante ver que mestrandos, doutorandos ou especialistas em várias áreas paguem para que os arcaicos estruturalistas revisem seus textos antes que sejam publicados…

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: