Palestra no Results ON Week 2010

Originally uploaded by Lalgarra.

A palestra no Results ON Week foi surpreendente, pelo menos para mim! Minha pré-concepção sobre jornadas de empreendedorismo me levou a esperar uma platéia fria, focada em negócios, ávida por ferramentas de gestão e absolutamente pragmática em relação ao tema da gestão. Bem, o que encontrei lá foi bem diferente.

A comunidade de pessoas que a Results ON vem ativando está bem mais para a inovação sustentável do que para o simples novo negócio lucrativo. Pude perceber pela perguntas, twittadas e conversas de cafézinho que os empreendedores conectados com o evento estavam realmente buscando um equilíbrio entre o sucesso e as melhores práticas de negócios para um mundo melhor.

Não levei nenhum roteiro para a palestra, pelo contrário, inverti totalmente os papéis de palestrante e platéia quando abri o encontro convidando todos a formularem perguntas. Mas perguntar o quê, seu ainda não havia falado nada, não é mesmo? E assim foi, ficamos lá quase três minutos em silêncio, mergulhados em um longo instante reflexivo. Até que alguém quebrou o encanto e fex uma pergunta sobre empreendedorismo. Daí seguimos numa dinâmica deconversação de pouco mais de uma hora.
Destaco aqui um momento do encontro que foi bastante provocativo. Quando eu disse que a inovação não surge apenas para conservar algo, ou seja, a inovação vem para reajustar um sistema que deseja se conservar, um certo incômodo pairou no ar! Então a inovação não existe, só existe a conservação? Bem, o que eu pude dizer é que tudo se organiza a partir do que desejamos conservar. Talvez esta seja a melhor pergunta que um empreendedor possa se fazer para avaliar constantemente a dinâmica de seu empreendimento. Quando desejamos conservar o negócio, a marca ou lucro, nossas decisões se pautam e se formam a partir destas coerências. Se desejamos conservar a satisfação dos clientes, o bem-estar do planeta e a própria saúde e alegria de nossos colaboradores, as decisões talvez sejam outras e os resultados produzidos também.

Falamos bastante sobre a condição humana e nossas características enquanto espécie. O fato de sermos seres cuidadores, que zelam por seus filhotes até certa idade e mantém uma estrutura para isto. Nossa linguagem, desenvolvida a partir de milhões de anos de convivência co-operativa. Nossas emoções como um fluxo imprevisível, íntimo e incontrolável que se entrelaça em nossa razão a cada momento. Olhamos para tudo isso e nos perguntamos, como é possivel reduzir isto tudo a uma simples condição de consumidor ou funcionário?

Me lembro também que alguém trouxe o caso de uma dupla de colaboradores que foram incentivados fortemente a manisfestarem seu entusiasmo, criatividade e empreendedorismo dentro do negócio. Quando finalmente isto aconteceu, eles foram embora para empreenderem sózinhos. A empresa reagiu e os contratou de volta com melhores condições, só que daí eles não apresentaram a mesma garra e resultados esperados. Eu analisei o caso lembrando que um funcionário teve, obviamente, uma vida pregressa à sua entrada na empresa. Em sua história de vida pessoal aquele jovem talvez ocupasse um espaço em sua casa onde ele tivesse que atuar a partir da trangressão, por exemplo, para ser visto e ouvido por seus pais em relação aos seus irmãos. E então este jovem se desenvolveu brilhantemente numa dinâmica pessoal de produzir transgredindo e foi contrado pela empresa por sua produtividade e perfil curricular, mas ignorando esta característica do jovem no espaço de convivência. Justamente aí, quando não enxergamos o ser humano que sustenta as competências que contratamos é que quebramos a cara e a relação se rompe. Só existem relações humanas, não podemos nos enganar em relação à isto, quando não vemos o outro ao nosso lado, seja nosso cliente, investidor ou colaborador, qualquer coisa pode acontecer, certo?

Terminei a palestra convidando um grupo de sete pessoas para o palco onde simulamos um fluxo de conversações cibernéticas dentro de uma empresa. Pudemos ver os departamentos conversando internamente, o fluxo que surge em encontros inter-departamentais, a inserção de novos funcionários neste cenário até mesmo ousamos incluir um cliente para conversar intergindo com uma equipe da empresa, pessoalmente ou pela internet. O exemplo foi absolutamente didático mas creio que serviu para desmistificar a principal ferramenta de ação da Papagallis, as conversações humanas.

Resumindo, gostei muito do clima do encontro. Me senti visto e ouvido a partir de mim mesmo. Pude desfrutar de uma grande diversidade de pessoas tanto no palco como na platéia, fiz novas amizades e passei a gostar ainda mais da pegada do @BobWollheim e do Thomaz Gomes, entre outros. Contem comigo neste jogo, em qualquer posição porque na torcida eu já estou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: